quarta-feira, 3 de junho de 2015

AS DEZ PRAGAS DO EGITO E SEU OBJETIVO

AS DEZ PRAGAS DO EGITO E SEU OBJETIVO

Rio Nilo -  Egito
As dez pragas que Deus lançou sobre o Egito tinham o objetivo de desacreditar as forças da natureza que os egípcios adoravam (Êx 7.14--12.31). Por meio desse processo, Deus demonstrou que Sua alegação de soberania sobre Israel era superior à alegação de soberania de Faraó. A intensidade das pragas aumentou até a obstinação de Faraó ser quebrada pela morte de seu primogênito. O resultado final das pragas foi a libertação de Israel do controle ilegítimo de Faraó e a inserção do povo na jurisdição legítima de Jeová. Algumas pessoas negam a natureza milagrosa das pragas, atribuindo-as ao ciclo regular de cheias do Nilo. Porém, a natureza milagrosa pode ser vista na maneira como Moisés sabia de antemão a respeito delas (Êx 8.10; 9.5;,29), no aparecimento súbito, no seu término súbito, na descrição que recebem como sinais e maravilhas (Êx 7.3), em sua intensificação, no momento preciso de sua ocorrência, em seu cumprimento do propósito moral (Êx 11.1), na reação que provocaram nos magos egípcios (Êx 7.22; 8.18,19) e em como as últimas sete pragas não afetaram os hebreus que viviam em Gósen (Êx 9.6).
Dado o contexto da história, as dez pragas tiveram a intenção de mostrar a superioridade de Deus( Javé/Jeová - YHVH  em hebraico) sobre os deuses do Egito. Possíveis paralelos incluem: 
O auge do relato das pragas é a Páscoa (Êx 12.1-4). Durante a décima praga, o "anjo da morte" passou pelo Egito, provocando a morte dos primogênitos, inclusive o filho do Faraó. A fim de não serem atingidos pela praga, os israelitas foram instruídos a abater um cordeiro sem defeito, espalhar o sangue nas ombreiras das portas, e assar o animal e comê-lo com pães ázimos e ervas amargas. Essa refeição (pesach) foi o prelúdio do êxodo. A fé deles tornou-se a base da redenção da nação cativa no Egito. Assim, Deus ordenou que Israel celebrasse a festa da Páscoa por todas as gerações como comemoração desse importante acontecimento (Êx 12.1-14). Já que Israel deveria deixar o Egito imediatamente, e o pão demorava para levedar, os hebreus tiveram de eliminar o fermento de suas casas. Assim sendo, Deus também determinou que Israel celebrasse a festa dos pães ázimos (matstsoth) por todas as gerações a fim de comemorar a rapidez com que o povo redimido deixou o Egito (Êx 12.15-20). E Jesus derramou Seu sangue para nossa redenção na ocasião da Páscoa (Jo 19.14), cumprindo a declaração de João Batista: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo (Jo 1.29).

Praga
Divindade egípcia
referência
1. Água em sangue
Osíris, Hapi, Khnum
Êxodo 7.14-25
2. Rãs
Heqt, divindade rã
Êxodo 8.1-15
3. Piolhos
Seb
Êxodo 8.16-19
4. Moscas
Khepri e Uatchit
Êxodo 8.20-32
5. Gado
Tifão e Imhotep
Êxodo 9.1-7
6. Úlceras
Hator e Ápis
Êxodo 9.8-12
7. Saraiva
Serápis e Ísis
Êxodo 9.13-35
8. Gafanhotos
Set, protetor das colheitas
Êxodo 10.1-20
9. Trevas
Rá, deus sol
Êxodo 10.21-29
10. Morte dos primogênitos
Ptá,deus da vida
Êxodo 11.1—12.36



Deus deu instruções a Moisés para que ele falasse a Arão para tocar nas águas com o seu bordão
e todo o rio tornou-se em sangue
Êxodo 7.14

Até a próxima
Fiquem todos na Paz do Senhor Jesus

Visite também: AS PRAGAS DO EGITO